Hoje iniciamos a série "A COR DO RE-PA", no qual iremos lembrar de grandes jogadores negros que passaram por Remo e Paysandu e a relação deles com o Clássico Rei da Amazônia.

O primeiro é ALCINO, o Negão Motora.

Nascido no Rio de Janeiro, Alcino Neves dos Santos Filho chegou em Belém nos anos 70 para brilhar no Leão, se tornou o maior ídolo e o segundo maior artilheiro da história do Remo com 158 gols.

Foi tricampeão paraense (1973, 1974 e 1975) com a camisa azulina e campeão da Taça Norte-Nordeste (1971).

Na grande vitória azulina contra o Flamengo de Zico, no Maracanã, Alcino marcou um dos gols do Remo e o jogo terminou 2 a 1.

NO RE-PA 

O Negão Motora atuou em 35 clássicos pelo Remo marcando 17 gols e é um dos maiores artilheiros da história do Re-Pa. Com ele em campo o Leão saiu vitorioso 18 vezes, empatou 11 e foi derrotado 6 vezes.

O atacante foi expulso em 4 ocasiões do Re-Pa, a primeira por fazer gestos obscenos para a torcida do Paysandu. No clássico seguinte, ele passou por dois defensores bicolores e pelo goleiro, a dois palmos da linha do gol parou e sentou na bola antes de balançar as redes, foi expulso por essa atitude.

O que poucos sabem, ou não lembram, é que o maior ídolo do Remo já vestiu a camisa do Paysandu. Em 1981, jogou em 3 clássicos com a camisa bicolor mas não venceu e nem fez gol em nenhum, foram 2 empates e 1 derrota, mesmo assim foi campeão paraense.

Alcino: artilheiro, polêmico, ídolo azulino. Dessa forma grandiosa começamos nossa série.

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem